A Boca apresenta-se

1 comments

CONVITE

A Boca – palavras que alimentam, Lda. tem o prazer de convidar todos os interessados a divulgar e assistir às apresentações do seu primeiro título, A Alegria de Gostar, do colombiano Jairo Aníbal Niño:


- 2 de Abril, na FNAC do Colombo (Lisboa), às 18h30,
com a participação especial de Rui Zink;

- 9 de Abril, na FNAC do Chiado (Lisboa), às 18h30,
com a participação especial de Inês de Barros Baptista
(Directora da Revista Pais & Filhos);

- 15 de Abril, na Maria Vai com Outras (Porto), às 17h30.


A Boca vai lá estar com A Alegria de Gostar

0 comments

Nos dias 31 de Março e 2 de Abril vamos à Feira do Príncipe Real.




Terça-feira, dia 6 de Março, no Bar do Cinearte A Barraca, em Santos, a partir das 23h, Changuito lerá, ao vivo e a cores, os poemas de amor que traduziu e a que deu voz no primeiro audiolivro da Boca: A Alegria de Gostar, de Jairo Aníbal Niño.

O audiolivro (em formato CD) estará à venda com 20% de desconto.



Pessoas à janela

No embalo de Tabacaria, poema maior de Álvaro de Campos, a Boca regressa a Fernando Pessoa pela voz de Maria do Céu Guerra, desta vez com A Carta da Corcunda ao Serralheiro, único texto conhecido do seu heterónimo feminino: Maria José.
Dois monólogos à janela de dois quartos de ver o mundo: o do génio só para si – paralítico da alma – e o da boneca com os ossos às avessas – paralítica do corpo –. Mas quando poeta e actriz em tantos de transfiguram, o resultado só poderia ser diverso: no estilo da escrita e na flexibilidade da interpretação.
Pouco conhecida dos leitores, Maria José encarna a expressão máxima da despersonalização literária do poeta, da heteronomia pessoana; mas a carta de amor composta pela corcunda parece também, como defende Teresa Rita Lopes em Pessoa por Conhecer, “o auto-retrato mais acabado” de Pessoa enquanto “’grande alma’” que se sentia “’ninguém’”.


Excerto de A Carta da Corcunda para o Serralheiro

(...)
Depois todos me desculpam, e acham que sou tonta, mas não me julgam parva, porque ninguém julga isso, e eu chego a não ter pena da desculpa, porque assim não tenho que explicar porque é que estive distraída.
Ainda me lembro daquele dia que o senhor passou aqui ao Domingo com o fato azul claro. Não era azul claro, mas era uma sarja muito clara para o azul escuro que costuma ser. O senhor ia que parecia o próprio dia que estava lindo e eu nunca tive tanta inveja de toda a gente como nesse dia. Mas não tive inveja da sua amiga, a não ser que o senhor não fosse ter com ela mas com outra qualquer, porque eu não pensei senão em si, e foi por isso que invejei toda a gente, o que não percebo mas o certo é que é verdade.
Não é por ser corcunda que estou aqui sempre à janela, mas é que ainda por cima tenho uma espécie de reumatismo nas pernas e não me posso mexer, e assim estou como se fosse paralítica, o que é uma maçada para todos cá em casa e eu sinto ter que ser toda a gente a aturar-me e a ter que me aceitar que o senhor não imagina. Eu às vezes dá-me um desespero como se me pudesse atirar da janela abaixo, mas eu que figura teria a cair da janela? Até quem me visse cair ria e a janela é tão baixa que eu nem morreria, mas era ainda mais maçada para os outros, e estou a ver-me na rua como uma macaca, com as pernas à vela e a corcunda a sair pela blusa e toda a gente a querer ter pena mas a ter nojo ao mesmo tempo ou a rir se calhasse, porque a gente é como é não como tinha vontade de ser.
(...)
- e enfim porque lhe estou eu a escrever se lhe não vou mandar esta carta? O senhor que anda de um lado para o outro não sabe qual é o peso de a gente não ser ninguém. Eu estou à janela todo o dia e vejo toda a gente passar de um lado para o outro e ter um modo de vida e gozar e falar a esta e àquela, e parece que sou um vaso com uma planta murcha que ficou aqui à janela por tirar de lá.
O senhor não pode imaginar, porque é bonito e tem saúde o que é a gente ter nascido e não ser gente, e ver nos jornais o que as pessoas fazem, e uns são ministros e andam de um lado para o outro a visitar todas as terras, e outros estão na vida da sociedade e casam e têm baptizados e estão doentes e fazem-lhe operações os mesmos médicos, e outros partem para as suas casas aqui e ali, e outros roubam e outros queixam-se, e uns fazem grandes crimes e há artigos assinados por outros e retratos e anúncios com os nomes dos homens que vão comprar as modas ao estrangeiro, e tudo isto o senhor não imagina o que é para quem é um trapo como eu que ficou no parapeito da janela de limpar o sinal redondo dos vasos quando a pintura é fresca por causa da água.
Se o senhor soubesse isto tudo era capaz de de vez em quando me dizer adeus na rua, e eu gostava de se lhe poder pedir isso, porque o senhor não imagina, eu talvez não vivesse mais, que pouco é o que tenho de viver, mas eu ia mais feliz lá para onde se vai se soubesse que o senhor me dava os bons dias por acaso.
A Margarida costureira diz que lhe falou uma vez, que lhe falou torto porque o senhor se meteu com ela na rua aqui ao lado, e essa vez é que eu senti inveja a valer, eu confesso porque não lhe quero mentir, senti inveja porque meter-se alguém connosco é a gente ser mulher, e eu não sou mulher nem homem, porque ninguém acha que eu sou nada a não ser uma espécie de gente que está para aqui a encher o vão da janela e a aborrecer tudo que me vê, valha-me Deus.
O António (é o mesmo nome que o seu, mas que diferença!) o António da oficina de automóveis disse uma vez a meu pai que toda a gente deve produzir qualquer coisa, que sem isso não há direito a viver, que quem não trabalha não come e não há direito a haver quem não trabalhe. E eu pensei que faço eu no mundo, que não faço nada senão estar à janela com toda a gente a mexer-se de um lado para o outro, sem ser paralítica, e tendo maneira de encontrar as pessoas de quem gosta, e depois poderia produzir à vontade o que fosse preciso porque tinha gosto para isso.
Adeus senhor António, eu não tenho senão dias de vida e escrevo esta carta só para a guardar no peito como se fosse uma carta que o senhor me escrevesse em vez de eu a escrever a si. Eu desejo que o senhor tenha todas as felicidades que possa desejar e que nunca saiba de mim para não rir porque eu sei que não posso esperar mais.
Eu amo o senhor com toda a minha alma e toda a minha vida.
Aí tem e estou a chorar.

Maria José

[s/d]

Em breve disponível em www.boca.pt em formato Mp3.


About me

Last posts

Archives

Bocas de Incêndio

Boqueirões


ATOM 0.3